Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo. Apocalipse 3:20

Uma coisa que me tem chamado a atenção é que todos os porões têm algo em comum. Tudo quanto é bagulho, sucata, pilhas de jornais velhos, garrafas vazias, pneus usados e uma infinidade de coisas inúteis, tudo vai para o porão. No meio de toda essa tranqueira vivem animais e insetos nocivos à saúde. As teias de aranhas estão por todos os cantos e o odor que vem lá do fundo é insuportável.

Os porões servem também para as crianças se esconderem, especialmente quando fazem alguma coisa errada. Diz a Bíblia que Jonas, quando resolveu fugir da presença de Deus, tomou um navio e "havia descido ao porão e se deitado; e dormia profundamente" (Jn 1:5).

De acordo com Apocalipse 3:20, cada um de nós é uma casa onde Jesus quer entrar, cear conosco e até fazer morada. Às vezes, Ele bate, bate e ninguém ouve.

Faz algum tempo, li o relato a respeito de um garoto que, em companhia do pai, observava uma famosa tela que representava Jesus batendo numa porta fechada.

– Por que ninguém vem abrir a porta para Jesus?

Enquanto o pai pensava como responder, o menino exclamou:

– Já sei, papai! É porque a família mora no porão e ninguém escuta as batidas de Jesus.

É bem possível que isso esteja acontecendo conosco. Não ouvimos as batidas de Jesus na porta do nosso coração porque estamos morando no porão da vida, em meio às "tranqueiras" e imundícies, entre filmes obscenos, novelas que promovem separações de casais e infidelidade conjugal, músicas mundanas e excitantes, coisas inconvenientes na internet. E, à semelhança de Jonas, estamos no porão, despreocupados, enquanto o barco de nossa vida está prestes a submergir.

"Que se passa contigo? […] Levanta-te, invoca o teu deus" (Jn 1:6). O porão da vida não é bom lugar para um filho de Deus. Ali há muitos ácaros e miasmas que podem comprometer nossa saúde moral e espiritual. Enquanto estivermos escondidos num dos cantos do porão da vida, distraídos com coisas desprezíveis, será difícil ouvir as batidas de Jesus à porta do nosso coração. Deixemos essas coisas de nenhum valor, saiamos do porão e ouçamos as batidas e o Seu chamado. Saiamos, hoje mesmo, do porão da indiferença e invoquemos o nome do Senhor.

REFLEXÃO: "Então, na sua angústia, clamaram ao Senhor, e Ele os livrou das suas tribulações" (Sl 107:6).